terça-feira, 11 de maio de 2010

Terceira parte da novela "Ferrari Spider vendida cheia de problemas"



No dia 14 de abril o site Noticias Automotivas publicou sobre uma Ferrari F360 Spider 2004 de nada menos que 720.000 reais, vendida para um empresário de Cuiabá cheia de problemas. Se ainda não souber nada sobre o assunto leia o primeiro link e também o segundo.



Fizemos as duas matérias acima citadas, pois depois que o assunto foi trazido até a nossa atenção e publicamos a primeira matéria, mas parece que não é costume da Platinuss resolver administrativamente seus erros preferindo solucioná-los no ambito judicial.

E ficamos sabendo de mais alguns detalhes obscuros desse caso. Veja só: o dono anterior da Ferrari, Natalino Bertin Júnior, é herdeiro da BERTIN, grupo que tem participação com a JBS-Friboi, que é a maior empresa na área de carne bovina do mundo, Gaia Energia e Contern, estas participantes do consórcio vencedor da polêmica Usina Belo Monte.

Ele, antes mesmo de ter perdido em 2009 a disputa de ser a loja oficial da Lamborghini no Brasil para a Via Italia, já estampava em sua loja Platinuss essa marca sem a devida autorização, vendo-se forçado a retirá-la sob pena de sofrer um processo conforme seu próprio depoimento publicado na ‘Isto É Dinheiro’, Edição 653, páginas 56-58.

Desde 2007 a fabricante italiana Lamborghini começava a nomear revendedores para esta marca e, talvez devido a este desejo de ser seu representante oficial no Brasil parece que o Bertin Júnior perdeu a cabeça, pois bateu sua Ferrari promovendo grave acidente automobilístico que quase terminou em tragédia, na rodovia Marechal Rondon (SP-300), município de Cafelândia, quando em alta velocidade para fazer uma curva colidiu lateralmente contra um ônibus que transportava evangélicos.

Na ocasião o nome do condutor da Ferrari não foi informado mas testemunhas alegaram tratar-se do filho de um empresário de Lins e o veículo estava em nome da industria Paulista de Sabonetes Ltda que pertence aos Bertins (www.correiodelins.com.br , Correio de Lins On Line, 07/08/2007).

Depois de tantas situações complicadas, Natalino Bertin Júnior acabou vendendo a Ferrari F360 Spider que tinha batido para esse empresário de Cuiabá. Após diversos problemas mecânicos no veículo, tomou conhecimento que o veículo tinha sido batido e, ao que parece, quem o dirigia na ocasião era o próprio sócio da Platinuss, Natalino Bertin Júnior, portanto, o processo aberto pelo dono da Ferrari vem a confirmar que se trata do mesmo veículo ao se comparar as placas. Essa ação é pública e tramita na Comarca de Cuiabá.

Isso demonstra sua imprudência e negligência, no caso do acidente, bem como a maneira indecorosa que sua revenda de carros de luxo atua ao vender um veículo batido como se não o fosse, atitude esta incompatível e inaceitável para uma empresa que comercializa veículos de luxo e alto preço (a Platinuss vai importar o modelo Veyron que custa 6 milhões de reais conforme Exame, Edição 964, página 13), bem como denigre a imagem do grupo Bertin cujos dirigentes atuais sempre pautaram na transparência e possuem estilo de vida inquestionável.

Vejamos como o assunto terminará.

Post via Noticias Automotivas

2 comentários:

  1. Esse caso da Ferrari mostra que sempre é mais fácil vender do que fazer o "follow-up". Contudo, o "follow-up" é o que diferencia os profissionais dos amadores. Também podemos ver que a malandragem está em todas as classes sociais.

    ResponderExcluir
  2. O duro é COMO GARANTIR QUE A MALANDRAGEM TAMBÉM NÃO ESTÁ DO OUTRO LADO!!!
    Muita gente já viu esse carro batido pelas ruas de Cuiabá!

    ResponderExcluir